Médicos cubanos? Veja se entende esta farsa.

__

amedicoscubanos

Anúncios

Nota de Repúdio do CRM-PR ao Pronunciamento da Presidente da República

NOTA DE REPÚDIO DO CRM-PR AO PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE DA REPÚBLICA

 
Em virtude do pronunciamento da Presidente da República, Dilma Rousseff, na noite de ontem (21), o Conselho Regional de Medicina do Paraná vem a público repudiar a afirmação de que a saúde será resolvida com a vinda imediata de milhares de médicos estrangeiros. Esta medida inconsequente demonstra o interesse do governo em desviar o foco da discussão, que é o descaso com que a saúde é tratada neste país. Neste momento cabe uma pergunta: de quem é a responsabilidade pela saúde no Brasil?

aNota de repudio

A Excelentíssima Presidente, em uma fala vazia de argumentos, “esquece” de assumir em cadeia nacional que, ao retirar a aplicação de 10% da renda bruta do governo federal em saúde, representando em números gerais mais de R$ 30 bilhões/ano, impõe cada vez mais a falência do sistema público.

Da mesma forma, ignorou toda a voz da classe médica e da própria sociedade, que neste último mês vêm discutindo de forma intensa a questão trazida à baila no pronunciamento, demonstrando ainda total despreparo e desconhecimento da real situação do sistema de saúde público. Já é sabido que o preenchimento dos postos de trabalho no SUS só será possível com uma reestruturação dos estabelecimentos de saúde e com a efetivação de um plano de carreira para os profissionais.

Senhora Presidente, a sociedade brasileira tem demonstrado que já não aguenta mais o jogo político e os discursos falaciosos, clamando por medidas definitivas que garantam a qualidade da assistência à saúde, bem como outros direitos constitucionais visando o respeito e a dignidade humana.

Cons. Alexandre Gustavo Bley, Presidente do CRM-PR

1o. Simpósio Brasileiro Sobre o Potencial Terapêutico e de Prevenção da Vitamina D para a Saúde Humana

#DIVULGUE.  Veja como participar.

afolderviewer1

Falta de vitamina D pode elevar o peso

__

A escassez prejudica a produção de insulina pelo organismo e sobrecarrega o pâncreas, o que faz aumentar o apetite

São Paulo – Diferentemente do estigma popular, a absorção de vitamina D possui diversas outras funções no organismo, além do fortalecimento dos ossos e dentes.

Dentre elas, segundo especialista, está a participação, mesmo como coadjuvante, na luta contra a balança, o que tem contribuído para aumentar o número de adeptos aos nutracêuticos de vitamina D.

aobesidade-e-diabetes

“A vitamina D está envolvida na produção da insulina. Portanto, quando há carência, reduzem-se os receptores para insulina nas células. Com isso, o pâncreas tem que produzir mais insulina, o que prejudica o processamento do açúcar e, ainda por cima, aumenta o acúmulo de gordura e de substâncias inflamatórias que estimulam o apetite”, esclarece a Nutricionista Especialista em Clínica Funcional, Esportiva e Materno-Infantil, Fernanda Granja.

Normalmente, o corpo produz essa substância quando exposto ao sol, cerca de quinze minutos ao dia. Mas, sabe-se que a radiação ultravioleta pode causar danos à pele, até mesmo câncer. Alguns alimentos, como peixes, ovos, leite também são boas opções de fonte, porém, nem sempre a alimentação diária é suficiente para suprir as necessidades individuais.

“Em média, um adulto precisa consumir 5 mg por dia. Os idosos, em geral, devem consumir 10 mg. No entanto, é importante alertar que o excesso também pode fazer mal ao elevar os níveis de cálcio na corrente sanguínea que, como resultado, pode causar o desenvolvimento de pedras nos rins”, diz a nutricionista.

http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/saude/noticias/falta-de-vitamina-d-pode-elevar-o-peso

__

Nos EUA, Suprema Corte recusa patente de partes de DNA

__

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu ontem que as empresas não podem patentear partes específicas do DNA, em uma decisão ambígua que também reconheceu os direitos da indústria de biotecnologia, que movimenta US$ 83 bilhões por ano, sobre produtos genéticos sintéticos.

Animation of the structure of a section of DNA...

Animation of the structure of a section of DNA. The bases lie horizontally between the two spiraling strands. (Photo credit: Wikipedia)

Os juízes decidiram que o DNA sintético – filamentos de material genético modificados em laboratório – podem ser patenteados porque esse processo envolve alguma ingerência humana. A decisão da corte invalidou as patentes que a Myriad Genetics, uma companhia de biotecnologia sediada em Utah,  havia registrado sobre dois genes humanos: o BRCA1 e o BRCA2.

Mutações nesses genes estão ligadas ao câncer nos seios e ovários – as mesmas mutações que a atriz Angelina Jolie  confirmou em testes e que a levaram a optar por uma mastectomia dupla preventiva.

Mark Skolnick, um dos fundadores da Myriad, tornou-se o primeiro cientista a isolar e sequenciar os dois genes, garantindo patentes de 20 anos sobre eles na metade da década de 90. A Myriad realiza testes dos genes.

Cientistas e organizações de defesa dos direitos humanos, liderados neste caso pela Association for Molecular Pathology,  contestaram os direitos exclusivos da Myriad sobre os genes, alegando que “produtos da natureza” não podem ser patenteados.

Mas a Myriad respondeu que os genes se enquadram na categoria de “invenção humana” porque os fragmentos do DNA tiveram que ser isolados. A corte concordou com os cientistas. “Um segmento de DNA ocorre naturalmente, é um produto da natureza e não pode ser patenteado simplesmente por ter sido isolado”, escreveu o juiz Clarence Thomas na decisão unânime.

A Myriad “encontrou um gene importante e útil,  mas descobertas inovadoras ou mesmo brilhantes não justificam por si só a patente”, escreveu ele.

Mas a decisão da corte foi limitada e o preço da ação da Myriad subiu imediatamente.  Ao meio-dia de ontem, ela era negociada a US$ 36,55, uma alta de 10,6%.

De fato, a corte disse que o DNA sintético ou complementar, conhecido como cDNA, pode ser patenteado por não ocorrer naturalmente. “O cDNA não apresenta os mesmos obstáculos à capacidade de receber patente que os segmentos isolados de DNA, que ocorrem naturalmente”, escreveu em nome da corte o juiz Thomas.

“Os técnicos de um laboratório indiscutivelmente criam algo novo quando o cDNA é feito”, disse ele, acrescentando que o cDNA não é um “produto da natureza” e, desse mod, pode ser patenteado.

A Myriad, que afirma ter mais de 500 reivindicações válidas e exequíveis em 24 patentes diferentes relacionadas ao seu teste de genes, disse que a corte “manteve apropriadamente” suas reivindicações sobre o cDNA.

Companhias farmacêuticas que incluem a Amgen, GlaxoSmithKline e Monsanto têm sido citadas como detentoras de patentes que poderão ser afetadas pela decisão da Myriad.

Fonte: Valor Econômico Jornalista: Anna Fifield e Andrew Jack, Financial Times Data: 14/06/2013

 

********

Suprema Corte dos Estados Unidos proíbe patentear DNA humano natural

 

Por Lawrence HurleyWASHINGTON, 13 Jun (Reuters) – Em sua primeira sentença desse tipo sobre a genética humana, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu por unanimidade nesta quinta-feira que material genético produzido sinteticamente pode ser patenteado, mas que isso não se aplica ao DNA natural.Os nove juízes concederam vitória parcial à empresa de biotecnologia Myriad Genetics, de Salt Lake City (Utah), detentora das patentes em questão.O principal órgão judicial dos Estados Unidos preservou importantes proteções de patentes que beneficiam a indústria de biotecnologia, mas deixou claro que isso não abrange o DNA extraído do corpo humano.Pesquisadores e defensores dos pacientes dizem que isso pode baratear os exames genéticos que apontam riscos de doenças.O tribunal se pronunciou em uma ação movida por pesquisadores médicos e outros interessados, envolvendo sete patentes detidas ou licenciadas pela Myriad, relacionados a dois genes associados aos cânceres de mama e ovário.O trabalho da Myriad nos diagnósticos preventivos atraiu a atenção mundial neste ano, quando a atriz Angelina Jolie anunciou que havia extraído as duas mamas depois que um exame apontou que ela tinha um risco extremamente elevado de desenvolver câncer de mama.O setor de biotecnologia viu algo de bom na decisão, observando que os juízes mantiveram intactas as proteções de patente sobre as formas de DNA produzidas por cientistas em laboratórios, e os processos usados para realizar os exames que prognosticam o câncer e outras doenças. O setor vinha alertando que uma condenação mais rigorosa à Myriad ameaçaria um investimento de bilhões de dólares.Em voto redigido pelo juiz Clarence Thomas, a corte disse que o chamado cDNA (“c” de “complementar, por ser “editado” em laboratório) pode ser patenteado, pois não ocorre naturalmente, o que lhe garantiria proteção sob a lei federal.Um laboratorista, escreveu ele, “inquestionavelmente cria algo novo quando o cDNA é feito”. Thomas observou que a chamada patente metodológica, que abrange os procedimentos técnicos para a realização de determinado processo, não foi afetada pela sentença.O acordo intermediário, que havia sido recomendado aos juízes pelo governo Obama, terá menos impacto sobre a Myriad do que se o tribunal tivesse proibido as patentes de todo tipo de material genético. Todas as patentes contestadas da Myriad expiram em 2015, mas a empresa diz deter outras que protegerão seus exames até 2018 e potencialmente depois.As ações da Myriad tiveram alta superior a 10 por cento depois da sentença devido à expectativa de que ela continuará lucrando com seus exames de diagnóstico preventivo do câncer.Mas essa alta acabou sendo revertida mais tarde, à medida que analistas de Wall Street questionaram as implicações em mais longo prazo sobre as ferramentas genéticas de diagnóstico.(Com reportagem adicional de Diane Bartz, Sharon Begley e Bill Berkrot)

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-5 ajuda a perpetuar mito da loucura feminina

 

__

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

 

__

A recém-lançada edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) pode ser anunciada como a “bíblia da psiquiatria”, mas não é um documento científico objetivo revelando a verdade sobre a loucura, como seus defensores afirmam.

Pelo contrário, é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis.

amito-loucura-feminina-1

A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

As mulheres são significativamente mais propensas do que os homens a serem diagnosticadas com uma vasta gama de doenças psiquiátricas. Isso inclui depressão, ansiedade, transtornos alimentares, transtorno de personalidade marginal (borderline), transtorno somatoforme, distúrbios do sono e transtorno de identidade dissociativa, ou despersonalização.

As mulheres também são significativamente mais propensas do que os homens a receberem receitas de medicações psicotrópicas conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como o Prozac, receberem tratamentos de eletroconvulsoterapia (ECT), ou serem hospitalizadas por doenças psiquiátricas.

Mas isso não quer dizer que as mulheres sejam mais loucas do que os homens.

Elas são simplesmente mais propensas a serem rotuladas como tal quando expressam descontentamento ou angústia com a vida cotidiana. Ou quando não conseguem viver de acordo com os ideais irrealistas da esposa e mãe perfeitas.

Esses ideais mudam com o tempo.

No século 19, mulheres foram internadas em asilos para doentes mentais por usarem linguagem chula, fazer sexo fora do casamento ou quando expressavam desejo de deixar seus maridos.

Hoje, nós não trancamos mais as mulheres por comportamento não feminino ou por descontentamento conjugal – em vez disso, nós as colocamos em uma camisa de força química prescrevendo medicações psicotrópicas.

Testado em homens, prescrito para mulheres

Esse fenômeno é ilustrado em um estudo de 2004 que analisou propagandas dos antidepressivos ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) de 1985 a 2000. O estudo mostrou uma clara mudança para reposicionar reações normais das mulheres – dificuldades associadas com o casamento, a maternidade, a menstruação ou a menopausa – como doenças psiquiátricas que justificam a medicação ISRS.

Experiências emocionais, tais como “ser oprimida por tristeza”, ou “nunca sentir-se feliz”, começaram a ser catalogadas como depressão ou ansiedade, em vez de reações compreensíveis em relação à vida.

Tristeza e ansiedade não são doenças mentais

Os mesmos pesquisadores também analisaram artigos da mídia sobre a depressão entre 1985 e 2000.

Eles concluíram que não havia provas que dessem suporte ao “diagnóstico baseado em gênero” – um alargamento dos critérios específicos de gênero para a depressão -, que legitima o uso de ISRSs para as mulheres.

Histórias na imprensa retratam o Prozac como uma droga milagrosa, que pode ajudar as mulheres a se sentirem “normais”, “alicerçadas” e “melhor do que bem” (Prozac Nation), ou fornecendo a “química que ajuda a ser uma supermãe” (Time).

Quem não gostaria de tomar SSRIs se isso fosse verdade? Mas não é.

O teste original dos ISRS para a FDA (Food and Drug Administration) foi realizado em pequenos grupos de homens com diagnóstico de depressão grave.

No entanto, o principal mercado para essas drogas hoje são as mulheres com depressão leve ou “sombra”.

Nós sabemos também que os ISRS têm efeitos colaterais graves, incluindo suicídio, agressão, espasmo muscular, disfunção sexual, agitação interior, problemas de estômago e pele, e comportamento “fora do personagem”.

O excesso de prescrição dessas drogas para as mulheres é claramente uma questão de séria preocupação. E esse excesso de prescrição pode ser diretamente ligado ao DSM.
A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

Ligações duvidosas

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

O diagnóstico psiquiátrico e a prescrição de medicação para as mulheres também aumentou ao longo deste período de 20 anos.

A indústria farmacêutica é uma das indústrias mais rentáveis do mundo – com vendas globais alcançando US$ 400 bilhões por ano. As medicações psicotrópicas desempenham um papel fundamental nos lucros, com os cinco primeiros SSRIs rendendo entre US$ 1 bilhão e US$ 3 bilhões por ano, apesar de as drogas serem quase idênticas. Isso equivale a lucros totais de mais de US$ 10 bilhões por ano.

Lucros doentios

A indústria é impulsionada pelo imperativo econômico para manter lucros elevados através de manutenção e da expansão contínua de seus mercados. E o DSM desempenha uma função chave nesse processo expandindo a lista de categorias de diagnóstico a cada nova edição.

Isso permite que os psiquiatras diagnostiquem infelicidade como loucura, e prescrevam medicamentos para um número crescente de mulheres infelizes ou vulneráveis.

Nós precisamos levar a angústia relatada por mulheres – e por homens – a sério.

Às vezes, a ajuda terapêutica ou medicinal é necessária. Mas nós também precisamos questionar a crescente patologização da infelicidade cotidiana.

Ela fornece um mercado para a indústria farmacêutica e legitima o controle psiquiátrico. E isso reforça o mito de que as mulheres são mais loucas do que os homens.

Psiquiatras ampliam definição de doenças para aumentar mercado

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dsm-5-perpetuar-mito-loucura-feminina&id=8885&nl=nlds
__

Pesquisa aponta eficácia no uso da vitamina D

__

O médico Cícero Coimbra explica que a vitamina D é atualmente considerada um pré-hormônio no meio científico [pois transforma diversas células do corpo humano no hormônio calcitriol, potencialmente capaz de modificar 229 funções biológicas no organismo]. Os pesquisadores hoje questionam a falta de conhecimento de muitos médicos, que estão receitando o uso de vitamina D, simplesmente, para o controle do Lúpus.

aCfoto1718

__

Cientistas de várias partes do mundo estão em busca de uma forma de combater o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) e, ao que tudo indica, a resposta está no uso de Vitamina D. Ao menos é o que mostram uma série de estudos e também o documentário do jornalista Daniel Cunha, “Vitamina D – Por uma outra terapia”, produzido no ano passado, que traz a história de seis pessoas, a maioria com esclerose múltipla, que tiveram suas vidas transformadas por um tratamento à base de vitamina D.

Em um site com o mesmo nome, diversas experiências positivas são relatadas pelos pacientes, além de informações sobre os cientistas que estão envolvidos em comprovar o que de fato a vitamina tem feito pelos portadores de doenças autoimunes. O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é um mal que pode acometer pessoas de diferentes idades, embora seja mais comum entre os 20 e os 45 anos, quando os anticorpos começam a atacar o próprio organismo.

De acordo com a reumatologista Vicenzina Santangelo, de Rio Preto, o lúpus, em geral, afeta mais as mulheres jovens em idade reprodutiva do que os homens. “A proporção da doença em mulheres é de nove para um homem”, diz. Por outro lado, é muito menos observada em crianças e idosos acima dos 65 anos. “É interessante notar que nestes dois grupos etários e em homens a doença pode ser clinicamente diferente do que se observa em mulheres adultas”, afirma.

Doença tem múltiplas causas

A reumatologista Vincenzina Santângelo observa que embora desconhecida ainda a causa do Lúpus parece ser multifuncional e exige uma interação genética apropriada do hospedeiro com um antígeno ambiental relevante.
“Outros fatores que podem estar envolvidos na causa do lúpus são os vírus, os medicamentos, a luz ultravioleta e as influências hormonais”, diz.

Em São Paulo, os médicos já fazem uso da vitamina D desde 2011, quando foi criado o Instituto Autoimunidade, que visa a combater o Lúpus e demais doenças autoimunes. Fazem parte da proposta especialistas de diferentes áreas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O idealizador é o neurologista Cícero Galli Coimbra, que já tem inclusive trabalhos publicados com resultados de pacientes que se dizem livres da doença.

“Atualmente, essas pessoas possuem um nível normal de qualidade de vida, mantendo-se livres das agressões do sistema imunológico, ao ponto de considerarem-se ex-portadoras da doença”, explica Coimbra.

Alternativas de tratamento

Em geral, o Lúpus é tratado com corticosteroides e também outras alternativas além da vitamina D. Até mesmo o óleo de peixe tem sido recomendado como forma de conter a doença. E segundo o farmacêutico Marcell Lozovoy, professor da Faculdade Pitágoras, de Londrina, é importante lembrar que se discute também fatores ambientais, hormonais, imunológicos e genéticos como sendo associados ao desenvolvimento da doença.

“Pesquisas mostram que as alterações hormonais, em especial a diminuição da testosterona, estão associadas à doença”, afirma. Apesar disso, os estudos não explicam o que leva à autoimunidade nestes pacientes. Por outro lado, os medicamentos, quando bem indicados, têm ampla resposta no controle da enfermidade que, quando descompensada, gera inflamações resultando em dores articulares e dificuldade de mobilidade. O paciente que segue o tratamento de forma adequada e não apresenta atividade da doença não tem restrições físicas e funcionais significativas.

Vitamina ou hormônio?

O médico Cícero Coimbra explica que A vitamina D é atualmente considerada um pré-hormônio no meio científico (pois transforma diversas células do corpo humano no hormônio calcitriol, potencialmente capaz de modificar 229 funções biológicas no organismo). Os pesquisadores hoje questionam a falta de conhecimento de muitos médicos, que estão receitando o uso de vitamina D, simplesmente, para o controle do Lúpus.

Segundo o cientista Reinhold Vieth, professor dos departamentos de Medicina Laboratorial e Patobiologia e de Ciências Nutricionais da Universidade de Toronto, em recente evento na Europa, o que efetivamente faz diferença no controle das doenças autoimunes é o calcidiol convertido em um hormônio ativo, o calcitriol.

Além disso, o cientista afirma que a vitamina D apenas é uma vitamina, no verdadeiro sentido da palavra, e que em “quantidades insuficientes na dieta podem causar doenças de deficiência”. Mas a reposição com calcidiol tem a indicação para o tratamento de enfermidades autoimunes.

Outras aplicações do ‘pré-hormônio’

Em Rio Preto, quem está acompanhando o uso do préhormônio calcitriol (obtido a partir da vitamina D) com bastante atenção é a farmacêutica Liliamaura Gonçalves de Lima, de Rio Preto. Ela explica que os atuais estudos estão mais direcionados para a esclerose múltipla. “Embora também estejam voltados para demais doenças autoimunes, incluindo lúpus, artrite reumatoide, diabetes tipo 1, entre outras”, afirma.

Recentemente, foram divulgados os resultados deumestudo pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, que identificouumgene responsável pela deficiência de Vitamina D e que pode também ser a causa para a esclerose múltipla. Deformações no gene CYP27B1 estariam na base da resistência à vitamina D, bem como do desenvolvimento da esclerose múltipla.

A farmacêutica observa que existem mais de 3,5 mil publicações que evidenciam a relação entre deficiência de vitamina D (ou colecalciferol) e esclerose múltipla, lúpus, bem como outras doenças autoimunes, o que não justifica algumas críticas de que não há fundamentação científica para o uso do pré-hormônio.

 

http://www.diarioweb.com.br/novoportal/Noticias/Saude/139559,,Pesquisa+aponta+eficacia+no+uso+da+vitamina+D.aspx
__

%d blogueiros gostam disto: