Pesquisa aponta eficácia no uso da vitamina D

__

O médico Cícero Coimbra explica que a vitamina D é atualmente considerada um pré-hormônio no meio científico [pois transforma diversas células do corpo humano no hormônio calcitriol, potencialmente capaz de modificar 229 funções biológicas no organismo]. Os pesquisadores hoje questionam a falta de conhecimento de muitos médicos, que estão receitando o uso de vitamina D, simplesmente, para o controle do Lúpus.

aCfoto1718

__

Cientistas de várias partes do mundo estão em busca de uma forma de combater o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) e, ao que tudo indica, a resposta está no uso de Vitamina D. Ao menos é o que mostram uma série de estudos e também o documentário do jornalista Daniel Cunha, “Vitamina D – Por uma outra terapia”, produzido no ano passado, que traz a história de seis pessoas, a maioria com esclerose múltipla, que tiveram suas vidas transformadas por um tratamento à base de vitamina D.

Em um site com o mesmo nome, diversas experiências positivas são relatadas pelos pacientes, além de informações sobre os cientistas que estão envolvidos em comprovar o que de fato a vitamina tem feito pelos portadores de doenças autoimunes. O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é um mal que pode acometer pessoas de diferentes idades, embora seja mais comum entre os 20 e os 45 anos, quando os anticorpos começam a atacar o próprio organismo.

De acordo com a reumatologista Vicenzina Santangelo, de Rio Preto, o lúpus, em geral, afeta mais as mulheres jovens em idade reprodutiva do que os homens. “A proporção da doença em mulheres é de nove para um homem”, diz. Por outro lado, é muito menos observada em crianças e idosos acima dos 65 anos. “É interessante notar que nestes dois grupos etários e em homens a doença pode ser clinicamente diferente do que se observa em mulheres adultas”, afirma.

Doença tem múltiplas causas

A reumatologista Vincenzina Santângelo observa que embora desconhecida ainda a causa do Lúpus parece ser multifuncional e exige uma interação genética apropriada do hospedeiro com um antígeno ambiental relevante.
“Outros fatores que podem estar envolvidos na causa do lúpus são os vírus, os medicamentos, a luz ultravioleta e as influências hormonais”, diz.

Em São Paulo, os médicos já fazem uso da vitamina D desde 2011, quando foi criado o Instituto Autoimunidade, que visa a combater o Lúpus e demais doenças autoimunes. Fazem parte da proposta especialistas de diferentes áreas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O idealizador é o neurologista Cícero Galli Coimbra, que já tem inclusive trabalhos publicados com resultados de pacientes que se dizem livres da doença.

“Atualmente, essas pessoas possuem um nível normal de qualidade de vida, mantendo-se livres das agressões do sistema imunológico, ao ponto de considerarem-se ex-portadoras da doença”, explica Coimbra.

Alternativas de tratamento

Em geral, o Lúpus é tratado com corticosteroides e também outras alternativas além da vitamina D. Até mesmo o óleo de peixe tem sido recomendado como forma de conter a doença. E segundo o farmacêutico Marcell Lozovoy, professor da Faculdade Pitágoras, de Londrina, é importante lembrar que se discute também fatores ambientais, hormonais, imunológicos e genéticos como sendo associados ao desenvolvimento da doença.

“Pesquisas mostram que as alterações hormonais, em especial a diminuição da testosterona, estão associadas à doença”, afirma. Apesar disso, os estudos não explicam o que leva à autoimunidade nestes pacientes. Por outro lado, os medicamentos, quando bem indicados, têm ampla resposta no controle da enfermidade que, quando descompensada, gera inflamações resultando em dores articulares e dificuldade de mobilidade. O paciente que segue o tratamento de forma adequada e não apresenta atividade da doença não tem restrições físicas e funcionais significativas.

Vitamina ou hormônio?

O médico Cícero Coimbra explica que A vitamina D é atualmente considerada um pré-hormônio no meio científico (pois transforma diversas células do corpo humano no hormônio calcitriol, potencialmente capaz de modificar 229 funções biológicas no organismo). Os pesquisadores hoje questionam a falta de conhecimento de muitos médicos, que estão receitando o uso de vitamina D, simplesmente, para o controle do Lúpus.

Segundo o cientista Reinhold Vieth, professor dos departamentos de Medicina Laboratorial e Patobiologia e de Ciências Nutricionais da Universidade de Toronto, em recente evento na Europa, o que efetivamente faz diferença no controle das doenças autoimunes é o calcidiol convertido em um hormônio ativo, o calcitriol.

Além disso, o cientista afirma que a vitamina D apenas é uma vitamina, no verdadeiro sentido da palavra, e que em “quantidades insuficientes na dieta podem causar doenças de deficiência”. Mas a reposição com calcidiol tem a indicação para o tratamento de enfermidades autoimunes.

Outras aplicações do ‘pré-hormônio’

Em Rio Preto, quem está acompanhando o uso do préhormônio calcitriol (obtido a partir da vitamina D) com bastante atenção é a farmacêutica Liliamaura Gonçalves de Lima, de Rio Preto. Ela explica que os atuais estudos estão mais direcionados para a esclerose múltipla. “Embora também estejam voltados para demais doenças autoimunes, incluindo lúpus, artrite reumatoide, diabetes tipo 1, entre outras”, afirma.

Recentemente, foram divulgados os resultados deumestudo pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, que identificouumgene responsável pela deficiência de Vitamina D e que pode também ser a causa para a esclerose múltipla. Deformações no gene CYP27B1 estariam na base da resistência à vitamina D, bem como do desenvolvimento da esclerose múltipla.

A farmacêutica observa que existem mais de 3,5 mil publicações que evidenciam a relação entre deficiência de vitamina D (ou colecalciferol) e esclerose múltipla, lúpus, bem como outras doenças autoimunes, o que não justifica algumas críticas de que não há fundamentação científica para o uso do pré-hormônio.

 

http://www.diarioweb.com.br/novoportal/Noticias/Saude/139559,,Pesquisa+aponta+eficacia+no+uso+da+vitamina+D.aspx
__

Anúncios

Os abusos da indústria farmacêutica. Meio de controle social? Qual o papel dos médicos?

__

Por Martha Rosenberg, no Alternet | Tradução: Gabriela Leite

Expensive medicine

Está chegando ao fim, para a indústria farmacêutica mundial, a farra de lucros com alguns dos medicamentos mais vendidos. Nos Estados Unidos, expiraram as patentes de comprimidos como Lipitor, Seroquel, Zyprexa, Singulaire Concerta. Mas não se preocupe, Wall Street. A indústria farmacêutica não vai desapontar suas expectativas de ganhos só porque pouca ou nenhuma droga nova está surgindo e porque falhou na sua razão mesma de existir. Eis aqui seis novas iniciativas do marketing farmacêutico que vão garantir que as expectativas dos investidores continuem altas, par-e-passo com as mensalidades dos seguros-saúde. O segredo? Reciclar drogas antigas e descreditadas e explorar o marketing de doenças para vender algumas poucas novas drogas.

1. Repainando a Ritalina

Agora que a indústria farmacêutica foi bem sucedida ao conseguir que cinco milhões de crianças e de quatro a oito milhoes de adultos fossem diagnosticados com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), está procurando novos mercados para as drogas. Um novo uso da Ritalina (metilfenidato), a avó das drogas para TDAH, poderia ser para tratar transtornos alimentares. Pesquisadores dizem que uma mulher que sofreu de bulimia nervosa, transtorno bipolar I, dependência de cocaína e álcool, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e transtorno do pânico, “conseguiu uma remissão sustentada (por mais de um ano)” quando o metilfenidato foi adicionado à sua lista de remédios.

Mas também existem as grávidas. Um novo artigo sugere que tirar o metilfenidato durante a gravidez de uma mulher pode “representar risco significativo”e que, “em todos os casos, as crianças se desenvolveram normalmente e nenhum efeito adverso foi relatado,” apesar de terem sido expostas no útero. Sim, crianças podem receber medicamentos para TDAH na mais tenra idade: ainda como fetos.

A indústria farmacêutica também está de olho nos idosos, como um novo mercado para as drogas que tratam TDAH. O metilfenidato pode “melhorar a função da caminhada nos mais velhos”, escreveram pesquisadoresrecentemente. E uma grande clínica patrocinada pela Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg está a caminhode descobrir se o metilfenidato pode reduzir a apatia em pacientes com Alzheimer. É claro que muitos pacientes com esse mal não têm apatia, mas agitação e agressividade; estes serão excluídos.

2) Reposição hormonal masculina

Mulheres acima de 40 anos devem sentir um élan de justiça médica, diante do novo impulso para o tratamento do “Baixo T” nos homens, uma “doença” recente que agora está sendo agressivamente comercializada, incentivando a reposição de testosterona. Por mais de 50 anos, as publicações médicas foram implacáveis em dizer às mulheres que elas estavam “sobrevivendo aos seus ovários” (frase de propaganda real) e que a única esperança para manter a aparência, o marido e a sanidade era a reposição hormonal. Agora, são os homens que estão ouvindo que a decaída no desempenho sexual e na energia, perda de massa muscular e ganho de peso os colocam na mesma posição. A lacuna em ambas campanhas de marketing é o fato de que pessoas não ficam velhas porque perdem hormônios; elas perdem hormônios porque estão ficando velhas.

Muitos produtos de reposição de testosterona têm sido aprovados pela FDA[Food and Drug Administration, agência reguladora da indústria farmacêutica nos Estados Unidos]: pílulas, injeções e adesivos a géis e soluções para uso tópico. Em novembro, foi aprovado o primeiro produto de reposição de testosterona feito para ser aplicado nas axilas, como um desodorante.

Os produtos de TRH (terapia de reposição hormonal) masculinos também implicam riscos. Eles podem agravar problemas benignos de próstata, causar falha do coração, apneia, toxidade hepática e possivelmente estimular o câncer de próstata, apesar de este permanecer como um risco teórico. Testosterona injetada tem sido associada a embolias e reações alérgicas extremas (anafilaxia), sendo que ambas podem ser fatais. Homens que tomam Propeciacontra a perda de cabelo podem especialmente desenvolver baixa testosterona, o que pode não ser reversível, pois reduz-se uma enzima envolvida na síntese do hormônio.

3) Tratar dependentes de álcool e drogas como doentes mentais que precisam de vacinas

Uma das poucas coisas boas no alcoolismo e na adição às drogas é que eles podem ser tratados de graça. Programas de doze passos como o dos Alcoólicos Anônimos utilizam grupos de apoio em vez de drogas, pessoal treinado ou seguro-saúde – e funciona. Não surpreende que as milhões de pessoas que se recuperam sem a ajuda da indústria farmacêutica sejam o seu mais recente alvo, na tentativa de alavancar receitas. Cada vez mais, as corporações estão pressionando clínicas de reabilitação e médicos a imputar diagnósticos de doença mental a pacientes em recuperação, para vender medicamentos caros.

Pior, Nora Volkow, a chefe do Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos Estados Unidos, está conduzindo experimentos cruéis em primatas na tentativa de desenvolver uma vacina para alcoolismo ou dependência. Existe algum alcoólico ou viciado no mundo que tomaria uma dessas vacinas? Ela não sabe que bebidas e drogas são divertidas (até determinado momento…) e que ninguém quer parar com elas antes da festa acabar? Ela não sabe que quando beber e usar drogas deixa de ser divertido, uma coisa chamada negação se abate e os aditos novamente não vão tomar sua vacina?

Essas vacinas para vícios serão vendidas a pessoas “em risco” de dependência com base em seu histórico familiar e varreduras de seu cérebros, o que soa um pouco, digamos, não-voluntário. E a comercialização de tratamentos precoces agressivos para doenças que pessoas nem têm ainda (“pré-osteoporose”, “pré-diabetes”, “pré-asma” e “pré-doenças mentais”) é um modelo de negócio infalível para a indústria farmacêutica porque as pessoas nunca saberão sequer se vão precisar dessas drogas – ou se precisam agora.

4) Patologizar a insônia

A insônia tem sido uma mina de ouro para a indústria dos medicamentos. Para encher os bolsos no mercado da insônia, as corporações criaram subcategorias para o problema – crônica, aguda, transitória, de início retardado e no meio-da-noite, assim como o despertar cansado. Sua insônia é tão única quanto você! Tampouco é coincidência que as medicações para “manter acordado” causem insônia e que as drogas para insônia, em razão da ressaca, criem o mercado das drogas para manter acordado.

Agora a indústria está anunciando que a insônia é na verdade um fator de “risco” para a depressão e que “tratar a insônia pode ajudar a tratar a depressão”. O novo Manual de Diagnósticos e Estatística (DSM-5 [Diagnostic and Statistical Manual]) da Associação Norte-Americana de Psiquiatria que saiu em maio  também acaba de patologizar o sono. Considerada a bíblia dos tratamentos com drogas psiquiátricas, a última versão do DSM trouxe uma revisão do modo como a insônia é diagnosticada e classificada. “Se o distúrbio do sono é persistente e prejudica o funcionamento do corpo ao longo do dia, ele deve ser reconhecido e tratado”, escrevem os autores em um artigo na edição de dezembro da Journal of Clinical Psychiatry [Revista de Psiquiatria Clínica].

5) “Vender” doenças imunológicas crônicas

A artrite reumatóide, artrite psoriática, a espondilite anquilosante e a psoríase em placas são transtornos raros, mas você não saberia disso pelos últimos esforços da indústria farmacêutica. Suas condições autoimunes são cada vez mais tratadas com medicamentos frutos de engenharia genética injetáveis como Humira, Remicide, Enbrele Cimzia, que dão às corporações 20 mil dólares por ano por paciente. Não causa espanto que uma recente campanha publicitária tente convencer as pessoas com dores nas costas “que nunca passam” de que elas realmente têm espondilite anquilosante. Não espanta que a propaganda da “AR” (artrite reumatóide) esteja por todos os lugares e as de remédios para psoríase em placas prometam “pele mais clara”como se fossem cremes de beleza. Em Chicago (EUA), propagandas de drogas caras e injetáveis apareceram em jornais de universidades, como se fossem para a população em geral, não para pessoas com doenças incomuns.

Como tais drogas, chamadas de inibidoras de TNF, suprimem o sistema imunológico, elas atraem super infecções bactericidas e fúnguicas, herpes e cânceres raros, estes principalmente em crianças. Eles estão conectados com o crescimento de hospitalizações, reações alérgicas extremas e eventos cardiovasculares, tudo o que a indústria farmacêutica tenta minimizar. Bloqueadores de TNF também são vendidos para o enfraquecimento dos ossos e asma, condições que iriam raramente garantir seus riscos.  Xolair, vendido para asma apesar dos avisos da FDA, recentemente foi muito falado como um grande tratamento para a coceira crônica.

6) A reciclagem do Neurontin

A apreensão da droga Neurontin (gabapentin) não foi o melhor momento da indústria de medicamentos. Uma repartição da Pfizer Inc. foi declarada culpada,em 2008, por promover o remédio para o transtorno bipolar, dores, enxaquecas e para afastar as drogas e o álcool, quando tinha sido aprovado apenas para neuralgia pós-herpética, epilepsia e dor causada por herpes zoster. A multa foi de 430 milhões de dólares. Ops. A Pfizer realmente promoveu os usos ilegais enquanto estava sob inquérito por atividades ilegais relacionadas ao Lipitor; e mais tarde promoveu usos ilegais para uma droga similar, a Lyrica, enquanto estava sob o acordo relacionado ao Neurontin! Ela parece, de fato, incorrigível.

Para vender Neurontin, a Parke-Davis, da Pfizer, lançou um elaborado “plano de publicação”, cujo objetivo era conseguir peças de marketing disfarçadas de ciência, em revistas médicas. Em apenas três anos, a Parke-Davis colocou 13 artigos escritos por fantasmas em publicações de medicina, promovendo usos que estão fora da bula para o Neurontin. Isso incluiu um suplemento no prestigioso Cleveland Clinic Journal of Medicine (Revista Clínica de Medicina de Cleveland, tradução livre), que a empresa transformou em 43 mil reimpressões disseminadas por seus representantes. “Veja, doutor, dizem aqui que…”

E há ainda mais duplicidade. Em 2011, três anos antes do acordo de 430 milhões de dólares, a tentativa da Pfizer chamada STEPS (“Study of Neurontin: Titrate to Effect, Profile of Safety” — “Estudo da Neurontin: dosagem efetiva, perfil de segurança”, tradução livre) foi denunciado por também ser publicidade, e não um estudo científico; era uma ferramenta de vendas criadas para inspirar os 772 investigadores que participavam do experimento a prescrever o Neurontin.

Recentemente, os novos usos do remédio para tosse crônica, menopausa e insônia estão aparecendo na literatura científica. Por que ninguém parece acreditar neles?

__

Publicado em A Mentira na Medicina, Biodireito, Biotecnologia, Brasil, Depressão, Doenças autoimunes, Idoso, Indústria Farmacêutica, Medicina, Medicina Preventiva, Ministério da Saúde, Notícias, Saúde Pública, Vitamina D. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 1 Comment »

Sal e doenças autoimunes

__

A substância interfere no desenvolvimento de células de defesa, sugere estudo publicado na revista ‘Nature’ e comentado pelo jornalista Cássio Leite Vieira na seção ‘Mundo de Ciência’ da CH de abril.

Por: Cássio Leite Vieira

Publicado em 18/04/2013 | Atualizado em 18/04/2013

asal

Pesquisa sugere que o sal pode aumentar as chances de uma pessoa com predisposição genética desenvolver uma doença autoimune. (foto: Sxc.hu/ aschaeffer)

É possível que um fator externo desencadeie um quadro autoimune em uma pessoa com predisposição genética. Três artigos defendem agora que um desses fatores seja uma substância muito presente – geralmente, em excesso – em nossa alimentação: o sal.

O sistema autoimune tem que atuar em uma fronteira tênue: se sua atividade estiver em baixa, vêm as doenças, pois os patógenos (micro-organismos vilões) ficam livres para agir; se estiver muito elevada, as células começam a atacar o próprio organismo, ou seja, passam a ver aquilo que deveriam defender como inimigo: doença autoimune.

Psoríase, artrite reumatoide e esclerose múltipla são exemplos de quadros resultantes do excesso de zelo do sistema imune.
Psoríase, artrite reumatoide e esclerose múltipla são exemplos de quadros resultantes do excesso de zelo do sistema imune

O propósito inicial da equipe era entender como o organismo controla o sistema imune, exercendo aquela sintonia fina que permite que ele não descambe nem para um lado (imunidade baixa), nem para outro (imunidade exacerbada).

Os pesquisadores centraram a atenção no desenvolvimento de uma das várias células do sistema imune: a Th17 (sigla, em inglês, para célula T auxiliar 17 ou linfócito T auxiliar 17), que tem papel importante em desencadear um processo inflamatório para sinalizar que o local precisa da atenção do sistema imunológico. No entanto, a atividade anormal da Th17 pode levar a um quadro autoimune – em alguns casos, o tratamento é baseado em interferir no desenvolvimento das Th17.

Tirar fotos

A estratégia dos pesquisadores foi ‘tirar fotografias’ do desenvolvimento das Th17 por três dias, mexendo na maquinaria genética dessas células para entender como elas se tornam maduras. Nesse trabalho, eles foram desligando genes, com a ajuda – método inovador, por sinal – de nanoagulhas.

Um gene chamou a atenção da equipe: SGK1. Já se sabia que, quando ele era desligado em camundongos, os roedores não produziam as Th17. Sabia-se também que o SGK1 também tem papel importante na absorção de sal no intestino e nos rins, em pesquisa com camundongos. Havia aí uma relação interessante: SGK1, Th17 e sal.

Nos experimentos, a equipe observou que os animais mantidos em dietas com alto teor de sal tinham mais chance de desenvolver uma doença autoimune.

Mas o sal sozinho não era vilão. Foi preciso um comparsa – no caso, a injeção nos roedores de uma substância (autoantígeno) que induzia um quadro autoimune nos animais, como se esse animal passasse a ter uma predisposição à doença.

Hipótese da equipe: o sal aumenta as chances de alguém com predisposição genética desenvolver uma doença autoimune.

Como foi dito, tudo não passa de uma hipótese. Um dos autores disse que é bem prematuro sair por aí alardeando que as pessoas não deveriam mais consumir sal. Essa relação tem que ser testada e reproduzida.

O sal vem se juntar a outros vilões, sobre os quais recaem a acusação de também serem um fator predisponente: tabaco, infecções e carência de vitamina D.

O estudo foi publicado em três artigos na Nature –

http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature11981.html

http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature11984.html

http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature11868.html

Cássio Leite Vieira
Ciência Hoje/ RJ

Texto originalmente publicado na CH 302 (abril de 2013).

 

Walter Feldman e o tratamento da vitamina D – O percurso – parte 1

Walter Feldman e o tratamento da vitamina D – A revolução – parte 2

__

Walter Feldman e o tratamento da vitamina D – O futuro – parte 4

__

Algumas perguntas sobre o Hormônio-Vitamina D

__

%d blogueiros gostam disto: