O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-5 ajuda a perpetuar mito da loucura feminina

 

__

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

 

__

A recém-lançada edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) pode ser anunciada como a “bíblia da psiquiatria”, mas não é um documento científico objetivo revelando a verdade sobre a loucura, como seus defensores afirmam.

Pelo contrário, é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis.

amito-loucura-feminina-1

A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

As mulheres são significativamente mais propensas do que os homens a serem diagnosticadas com uma vasta gama de doenças psiquiátricas. Isso inclui depressão, ansiedade, transtornos alimentares, transtorno de personalidade marginal (borderline), transtorno somatoforme, distúrbios do sono e transtorno de identidade dissociativa, ou despersonalização.

As mulheres também são significativamente mais propensas do que os homens a receberem receitas de medicações psicotrópicas conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como o Prozac, receberem tratamentos de eletroconvulsoterapia (ECT), ou serem hospitalizadas por doenças psiquiátricas.

Mas isso não quer dizer que as mulheres sejam mais loucas do que os homens.

Elas são simplesmente mais propensas a serem rotuladas como tal quando expressam descontentamento ou angústia com a vida cotidiana. Ou quando não conseguem viver de acordo com os ideais irrealistas da esposa e mãe perfeitas.

Esses ideais mudam com o tempo.

No século 19, mulheres foram internadas em asilos para doentes mentais por usarem linguagem chula, fazer sexo fora do casamento ou quando expressavam desejo de deixar seus maridos.

Hoje, nós não trancamos mais as mulheres por comportamento não feminino ou por descontentamento conjugal – em vez disso, nós as colocamos em uma camisa de força química prescrevendo medicações psicotrópicas.

Testado em homens, prescrito para mulheres

Esse fenômeno é ilustrado em um estudo de 2004 que analisou propagandas dos antidepressivos ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) de 1985 a 2000. O estudo mostrou uma clara mudança para reposicionar reações normais das mulheres – dificuldades associadas com o casamento, a maternidade, a menstruação ou a menopausa – como doenças psiquiátricas que justificam a medicação ISRS.

Experiências emocionais, tais como “ser oprimida por tristeza”, ou “nunca sentir-se feliz”, começaram a ser catalogadas como depressão ou ansiedade, em vez de reações compreensíveis em relação à vida.

Tristeza e ansiedade não são doenças mentais

Os mesmos pesquisadores também analisaram artigos da mídia sobre a depressão entre 1985 e 2000.

Eles concluíram que não havia provas que dessem suporte ao “diagnóstico baseado em gênero” – um alargamento dos critérios específicos de gênero para a depressão -, que legitima o uso de ISRSs para as mulheres.

Histórias na imprensa retratam o Prozac como uma droga milagrosa, que pode ajudar as mulheres a se sentirem “normais”, “alicerçadas” e “melhor do que bem” (Prozac Nation), ou fornecendo a “química que ajuda a ser uma supermãe” (Time).

Quem não gostaria de tomar SSRIs se isso fosse verdade? Mas não é.

O teste original dos ISRS para a FDA (Food and Drug Administration) foi realizado em pequenos grupos de homens com diagnóstico de depressão grave.

No entanto, o principal mercado para essas drogas hoje são as mulheres com depressão leve ou “sombra”.

Nós sabemos também que os ISRS têm efeitos colaterais graves, incluindo suicídio, agressão, espasmo muscular, disfunção sexual, agitação interior, problemas de estômago e pele, e comportamento “fora do personagem”.

O excesso de prescrição dessas drogas para as mulheres é claramente uma questão de séria preocupação. E esse excesso de prescrição pode ser diretamente ligado ao DSM.
A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

Ligações duvidosas

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

O diagnóstico psiquiátrico e a prescrição de medicação para as mulheres também aumentou ao longo deste período de 20 anos.

A indústria farmacêutica é uma das indústrias mais rentáveis do mundo – com vendas globais alcançando US$ 400 bilhões por ano. As medicações psicotrópicas desempenham um papel fundamental nos lucros, com os cinco primeiros SSRIs rendendo entre US$ 1 bilhão e US$ 3 bilhões por ano, apesar de as drogas serem quase idênticas. Isso equivale a lucros totais de mais de US$ 10 bilhões por ano.

Lucros doentios

A indústria é impulsionada pelo imperativo econômico para manter lucros elevados através de manutenção e da expansão contínua de seus mercados. E o DSM desempenha uma função chave nesse processo expandindo a lista de categorias de diagnóstico a cada nova edição.

Isso permite que os psiquiatras diagnostiquem infelicidade como loucura, e prescrevam medicamentos para um número crescente de mulheres infelizes ou vulneráveis.

Nós precisamos levar a angústia relatada por mulheres – e por homens – a sério.

Às vezes, a ajuda terapêutica ou medicinal é necessária. Mas nós também precisamos questionar a crescente patologização da infelicidade cotidiana.

Ela fornece um mercado para a indústria farmacêutica e legitima o controle psiquiátrico. E isso reforça o mito de que as mulheres são mais loucas do que os homens.

Psiquiatras ampliam definição de doenças para aumentar mercado

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dsm-5-perpetuar-mito-loucura-feminina&id=8885&nl=nlds
__

Anúncios

O que você não sabe ou reconhece pode prejudicar a sua saúde

A doença celíaca cujo local mais afetado é o trato gastrointestinal – é uma das doenças autoimunes mais mal diagnosticadas, de acordo com Peter H. R. Green, diretor do Centro de Doença Celíaca da Universidade Columbia. Os motivos vão desde o fato de que até bem pouco tempo a doença era considerada rara – portanto os médicos não a investigavam – ao desconhecimento por parte da classe, uma vez que a doença celíaca não fazia parte de muitos programas médicos educacionais. Felizmente, isso está mudando.

Depois de passar, pelo menos, vinte anos da minha vida tendo fortes e inexplicáveis dores de cabeça, ser submetida a diversos tratamentos para corrigir anemia (baixa quantidade de ferro/ferritina) e ser acometida, ainda relativamente jovem, com problemas de osteopenia nos quadris com evolução para osteoporose, desenvolvi mais uma doença autoimune a Artrite Reumatóide. Falta de sorte? Não, falta de diagnóstico!

___

Eu era celíaca e não sabia! Hein? Sim, é isso mesmo! Celíaco é o nome dado às pessoas que não podem ingerir trigo ou, mais corretamente, glúten: proteína encontrada naturalmente no trigo, centeio e cevada. Escondido em alimentos como pizzas, massas, pães, cervejas, molhos e um número infinito de produtos industrializados, incluindo medicamentos, o glúten pode estar destruindo a saúde de muitas pessoas sem que elas saibam. E aqui começa o nosso suposto problema ou a solução para ele.

aceliaca

A doença celíaca cujo local mais afetado é o trato gastrointestinal – é uma das doenças autoimunes mais mal diagnosticadas, de acordo com Peter H. R. Green, diretor do Centro de Doença Celíaca da Universidade Columbia. Os motivos vão desde o fato de que até bem pouco tempo a doença era considerada rara – portanto os médicos não a investigavam – ao desconhecimento por parte da classe, uma vez que a doença celíaca não fazia parte de muitos programas médicos educacionais. Felizmente, isso está mudando.

Depois de passar, pelo menos, vinte anos da minha vida tendo fortes e inexplicáveis dores de cabeça, ser submetida a diversos tratamentos para corrigir anemia (baixa quantidade de ferro/ferritina) e ser acometida, ainda relativamente jovem, com problemas de osteopenia nos quadris com evolução para osteoporose, desenvolvi mais uma doença autoimune a Artrite Reumatóide. Falta de sorte? Não, falta de diagnóstico!

Nas doenças autoimunes o corpo ataca a si próprio. E na doença celíaca as células do sistema imunológico danificam as vilosidades do intestino delgado provocando uma inflamação, ou seja, elas destroem a porção do intestino responsável pela absorção de nutrientes necessários à manutenção da boa saúde.

O glúten é a proteína responsável por desencadear o processo inflamatório. As células do sistema imunológico presentes na sua maioria no trato digestivo e encarregadas da defesa do organismo tratam o glúten como se este fosse um impostor, e travam uma verdadeira batalha para destruir o invasor. No combate, as partes afetadas são, exatamente, as vilosidades, encarregadas de digerir e absorver os alimentos.

Diferentes porções do intestino delgado têm a função de absorver nutrientes distintos. Por exemplo, além de outros, o ferro e o cálcio são absorvidos na chamada porção proximal do intestino delgado: local onde a doença celíaca causa mais danos. Ora, não é de admirar os problemas que enfrentei com repetidos quadros de anemia e infindáveis diagnósticos de osteopenia que acabaram evoluindo para osteoporose: ainda assim a doença celíaca, por vezes silenciosa, seguiu seu curso sem levantar suspeitas e sem ser diagnosticada, até o aparecimento da segunda doença autoimune.

Hoje é perfeitamente documentado e conhecido o fato de que as doenças autoimunes tendem a aparecer em pares, ou seja, se você desenvolver uma é provável que desenvolva a segunda.

O The New Journal of Medicine catalogou pelo menos 55 doenças relacionadas à doença celíaca ou à intolerância ao glúten. Entre elas encontramos a artrite reumatóide, a esclerose múltipla, a ataxia cerebelar, a doença de Hashimoto, a osteoporose e outras. O problema maior é que como a doença celíaca nem sempre é apontada como uma das possíveis causas de doenças autoimunes, muitas vezes os pacientes iniciam o tratamento dos sintomas sem eliminar a causa. O que pode, com o passar do tempo, levar ao agravamento da doença autoimune.

No entanto, segundo pesquisadores, cientistas e médicos não é o glúten que torna o trigo que consumimos um “veneno perfeito e crônico”, mas sim o fato de que hoje usamos uma qualidade de trigo geneticamente modificado com características muito diferentes do trigo que usávamos há cinqüenta anos. E isto explica, em parte, por que a doença celíaca, considerada rara no passado, deixou de ser tão rara assim e hoje afeta um em cada 133 americanos. No Brasil, embora os números não sejam conhecidos, estima-se que a situação seja mais ou menos semelhante.

Com a evolução de ambas as doenças autoimunes, há dois anos eu precisei andar com o auxílio de uma bengala e as horas produtivas do meu dia foram muito reduzidas, devido às frequentes pausas para descanso. O cansaço produzido pelas inflamações era tão grande que não restava energia para outra coisa a não ser dormir. Sem medicamentos e com uma dieta alternada e 100% sem glúten recuperei a minha saúde e qualidade de vida. Hoje faço exercícios cardiológicos e musculação três vezes por semana sem nenhuma restrição ou limitação física. A bengala virou estória!

Assim como eu, se você também tem ou suspeita ter a doença celíaca ou qualquer outra doença autoimune, procure o seu médico e converse com ele. Insista e não desista! Mas lembre-se: uma dieta bem balanceada e 100% sem glúten poderá fazer milagres pela saúde do seu corpo. Se eu consegui você também pode conseguir o mesmo. O antigo ditado, “Você é o que você come!”, vem provando ser uma grande verdade.

Referências:

Celiac Disease The Hidden Epidemic by Peter H.R. Green

The Autoimmune Epidemic by Donna Jackson Nakazawa

Fora estudos práticos, as informações desse artigo foram baseadas em pesquisas conduzidas pelo autor e estas não devem substituir o seu relacionamento com médicos qualificados e não devem ser entendidas como um conselho médico. A intenção é partilhar conhecimento e informação vindos a partir de pesquisas e experiências da autora. A autora encoraja a todos que façam suas próprias decisões médicas levando em conta suas próprias pesquisas auxiliadas por profissional médico qualificado.

Rosanne Martins é bióloga, química, terapeuta holística, coach, palestrante motivacional e autora do livro Por que sonhar se não para realizar? Site da autora: http://www.rosannemartins.com.br.

__

O que o câncer nos ensina sobre a evolução humana

Além disso, pesquisas recentes mostram que as células cancerígenas não necessitam de oxigênio, remetendo a um antigo (e menos eficiente) método de metabolismo conhecido como fermentação.

__

Ao estudar o aparecimento da doença, pesquisadores obtêm vislumbres de uma antiga era biológica

A medicina define o câncer como uma doença onde células defeituosas se proliferam de forma descontrolada. Porém, na busca pela cura, a maioria dos pesquisadores deixou de lado questões essenciais, como “Por que o câncer existe?”, “Qual o seu papel na história da humanidade?”. É incrível, mas, após décadas de pesquisa, ainda não se sabe o motivo do aparecimento de um câncer dentre todas as células saudáveis. Sabe-se apenas que ele pode ser ativado por diversos agentes, como radiação, produtos químicos, inflamação e infecção, por exemplo.

asol

O câncer não é uma aberração moderna. A doença tem raízes profundas na evolução e afeta não só os humanos, mas também animais e até plantas. Cientistas identificaram os genes relacionados ao câncer e descobriram que eles têm milhões de anos.

Durante grande parte da história, a vida se resumia a mecanismos unicelulares. Conforme o planeta passava por mudanças, a atmosfera se tornou poluída com um elemento químico altamente tóxico: oxigênio, obtido como subproduto da fotossíntese. As células passaram a desenvolver estratégias para evitar o acúmulo de oxigênio e combater os danos causados pela oxidação. Contudo, alguns organismos passaram a transformar o oxigênio em uma fonte de energia. Assim surgiram as células dependentes de oxigênio.

Em organismos unicelulares, as células se reproduziam para garantir a imortalidade. Com o aparecimento de organismos multicelulares, as células passaram a utilizar óvulos e espermas para armazenar genes para gerações futuras. Com isso, as células comuns passaram a ter um prazo de vida, se autodestrunindo quando o prazo chega ao fim. Aparentemente, o aparecimento do câncer envolve uma quebra neste processo. Ao invés de se autodestruírem, as células malignas passam a se multiplicar, formando tumores. Além disso, pesquisas recentes mostram que as células cancerígenas não necessitam de oxigênio, remetendo a um antigo (e menos eficiente) método de metabolismo conhecido como fermentação.

Os profundos vínculos entre evolução biológica, desenvolvimento biológico e câncer têm implicações diretas no tratamento e mostram que existem razões para estudar o câncer. Ao revelar os detalhes de criação e progresso da doença, pesquisadores abrem uma janela que nos permite vislumbrar uma era passada.

Fonte:  The Guardian-Cancer can teach us about our own evolution

http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2012/nov/18/cancer-evolution-bygone-biological-age

__

 

 

Genética influi pouco em doenças autoimunes

English: Angelina Jolie at the Cannes film fes...

_

Luis Ricardo Goulart Filho, o estudo ajuda a esclarecer suspeitas que sempre existiam na área médica. “Existem doenças, como o diabetes, que conseguimos identificar o gene responsável pelo desencadeamento dela, mas muitas outras enfermidades dessa magnitude são causadas por fatores externos. Como esse estudo mostra, seria bastante complicado definir os agentes só no DNA da pessoa”, destaca o pesquisador. O geneticista diz ainda que as pessoas com um gene relacionado a alguma doença podem não desenvolvê-la. “Podemos usar como exemplo o caso da Angelina Jolie, que tinha cerca de 80% de chances de ter câncer de mama. Isso significa que 20% (de pacientes como ela) não desenvolvem. Por isso, não podemos generalizar e dizer que a hereditariedade seria a principal causa. Temos fatores, como o estresse e a poluição, que podem fazer diferença”, destaca.

__

Cientistas da Universidade Queen Mary, de Londres, realizaram o sequenciamento genético de mais de 40 milpessoas

Em um estudo publicado na revista Nature, pesquisadores ingleses fizeram um mapeamento genético de grandes proporções em busca de indícios que ligassem a origem das doenças autoimunes a fatores genéticos. O objetivo da equipe era encontrar uma maneira de combater essas enfermidades em sua formação inicial, mas o resultado mostrou que o enfoque nos genes pode não ser muito efetivo, pois outros importantes fatores parecem estar por trás do desencadeamento desses males.

Os cientistas da Universidade Queen Mary, de Londres, realizaram o sequenciamento genético de mais de 40 mil pessoas. A investigação usou como base seis quadros autoimunes: doenças da tireoide, doença celíaca, doença de Crohn (enfermidade crônica inflamatória intestinal), psoríase, esclerose múltipla e diabetes tipo 1. O mapeamento dos participantes foi dividido em dois grupos, sendo que 24.892 voluntários tinham algum desses males, e 17.019 eram saudáveis. Ao analisar os genes dos dois conjuntos de indivíduos e compará-los, os estudiosos perceberam que o fator genético das doenças é pequeno (na ordem de 3%). Logo, outros fatores seriam grandes responsáveis por esse tipo de condição.

De acordo com David Van Heel, professor de genética gastrointestinal de Queen Mary e líder do estudo, os genes que foram identificados não são suficientes para que um tratamento mais eficaz possa ser desenvolvido. “Para cada doença, deve haver centenas de fatores, e o risco genético é provavelmente herdado de um grande número de variantes de ambos os genitores. Se for esse o caso, talvez seja possível prever com exatidão as chances de um indivíduo desenvolver doenças autoimunes. Entretanto, os resultados não fornecem informações essenciais sobre a base biológica dessas condições e sobre as vias envolvidas”, destaca o pesquisador no trabalho.

Para o geneticista da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Luis Ricardo Goulart Filho, o estudo ajuda a esclarecer suspeitas que sempre existiam na área médica. “Existem doenças, como o diabetes, que conseguimos identificar o gene responsável pelo desencadeamento dela, mas muitas outras enfermidades dessa magnitude são causadas por fatores externos. Como esse estudo mostra, seria bastante complicado definir os agentes só no DNA da pessoa”, destaca o pesquisador. O geneticista diz ainda que as pessoas com um gene relacionado a alguma doença podem não desenvolvê-la. “Podemos usar como exemplo o caso da Angelina Jolie, que tinha cerca de 80% de chances de ter câncer de mama. Isso significa que 20% (de pacientes como ela) não desenvolvem. Por isso, não podemos generalizar e dizer que a hereditariedade seria a principal causa. Temos fatores, como o estresse e a poluição, que podem fazer diferença”, destaca. (VS)

 

Fogo amigo
Doenças autoimunes são quadros que ocorrem quando o sistema imunológico ataca e destrói os tecidos saudáveis do corpo, como se fosse incapaz de distinguir o que é prejudicial e o que faz parte do próprio organismo. Existem mais de 80 tipos dessas enfermidades.

http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2013/05/23/noticia_saudeplena,143471/genetica-influi-pouco-em-doencas-autoimunes.shtml

__

O Hormônio-Vitamina D interfere com cerca de 3.000 genes associados a muitas doenças, diminuindo os seus riscos

__

Em 2010, um novo estudo acaba de ampliar – de maneira contundente – as evidências de que a deficiência de vitamina D pode aumentar os riscos de desenvolvimento de muitas doenças. [Imagem: FRL/UCR]

Em 2010, novo estudo conclui por ampliar – de maneira contundente – as evidências de que a deficiência de vitamina D pode aumentar os riscos de desenvolvimento de muitas doenças. [Imagem: FRL/UCR]

Referência ao artigo de 2013:

Arash Hossein-nezhad, Avrum Spira, Michael F. Holick.Influence of Vitamin D Status and Vitamin D3 Supplementation on Genome Wide Expression of White Blood Cells: A Randomized Double-Blind Clinical TrialPLoS ONE, 2013; 8 (3): e58725 (DOI:10.1371/journal.pone.0058725)

__
Até agora , os cientistas encontraram cerca de 3.000 genes que são regulados pela vitamina D, o que é notável quando se considera que o corpo humano tem apenas entre 20-25,000 genes totais. Pesquisadores da vitamina D continuam a encontrar benefícios para a saúde na vitamina D em praticamente todas as áreas que eles olham, incluindo:
Cancer       Hypertension       Heart disease
Autism       Obesity       Rheumatoid arthritis
Diabetes 1 and 2       Multiple Sclerosis       Crohn’s Disease
Cold & Flu       Inflammatory Bowel Disease       Tuberculosis
High Blood Pressure       MRSA Infections       Dementia
Birth Defects       Reduced C-section risk       Infertility
Melanoma (skin cancer)       Asthma       Depression
Osteoporosis       Alzheimer’s disease       Schizophrenia

 

A vitamina D há muito que está associada ao bom funcionamento dos tecidos musculares e esqueléticos e à disponibilidade celular de cálcio. O cálcio é essencial para a contracção muscular assim como é um mensageiro químico intracelular, com papel importante na actividade das mitocôndrias. Estas, para além de serem as “fábricas” de energia celular, estão envolvidas directamente na saúde celular, como seja na co-regulação do seu ciclo de divisão (precisamente por mitose) assim como em processos de morte programada, ou apoptose. As mitocôndrias estão ainda envolvidas no nível de stress oxidativo a nível celular.

Assim não é de estranhar a ligação dos níveis de vitamina D e um número grande de distúrbios que interferem com o estado de saúde e que podem originar doenças, mais ou menos graves ou mesmo mortais.

6

Vários dados apresentados em estudos epidemiológicos publicados nos últimos anos têm associado a deficiência (menos de 20 ng/mL no sangue) ou insuficiência (entre 21-29 ng/mL no sangue) nos níveis sanguíneos de vitamina D com um risco acrescido no desenvolvimento de doenças cancerosas, autoimunes, infecciosas, diabetes tipo 2 e cardiovasculares.

Agora, num artigo (DOI:10.1371/journal.pone.0058725) publicado on line na revista PLOS ONE no dia 20 de Março de 2013, cientistas do Centro Médico da Universidade de Boston, em Massachusetts nos Estados Unidos, apresentam pela primeira vez resultados que indicam que os níveis de vitamina D (especificamente o colecalciferol ou vitamina D3) têm um impacto directo sobre a expressão de muitos genes (291 genes foram investigados neste estudo) envolvidos em várias vias metabólicas que se sabe estarem associadas com o desenvolvimento de células cancerígenas, com doenças infecciosas e autoimunes, com doenças cardiovasculares. Assim este estudo dá um passo em profundidade na ligação entre os níveis presentes de vitamina D e os processos moleculares que estão na origem ou que estão envolvidos naquelas doenças.

O estudo indica ainda que a manutenção de níveis suficientes de vitamina D desempenha um papel importante no robustecimento do sistema imunitário e na diminuição do risco em desenvolver aquelas doenças.

621-01202314

Segundo Michael F. Holick, um dos líderes da investigação, «este estudo identifica marcadores moleculares que ajudam a explicar os benefícios da vitamina D na saúde dos sistemas não esqueléticos», e acrescenta que «enquanto muitos mais estudos são necessários para confrimar as nossas observações, os dados obtidos demonstram que manter os níveis recomendados de vitamina D pode ter um efeito marcante sobre a expressão  genética  nas células do nosso sistema imunitário e  pode ajudar a explicar o papel da vitamina D na redução do risco para as doenças cardiovasculares, câncer, entre outras».

Recorde-se que esta é a única vitamina que tanto pode ser ingerida através da dieta como sintetizada  no  organismo  após exposição solar.   Assim, aproveite o despertar da Primavera e reponha os seus níveis de vitamina D. Vai ver que se sentirá muito melhor.

António Piedade

Referência ao artigo:

Arash Hossein-nezhad, Avrum Spira, Michael F. Holick.Influence of Vitamin D Status and Vitamin D3 Supplementation on Genome Wide Expression of White Blood Cells: A Randomized Double-Blind Clinical TrialPLoS ONE, 2013; 8 (3): e58725 (DOI:10.1371/journal.pone.0058725)

http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0058725

__

Carência do Hormônio-Vitamina D associada a alergias alimentares em crianças

(…) responsável pelo estudo, disse que o aumento da prevalência da insuficiência da vitamina D nos últimos 20 anos é paralelo ao aumento da taxa de alergias alimentares.(…)

__

Alergia-bebe-1a

A carência de vitamina D no organismo das crianças aumenta o risco de reações alérgicas aos alimentos, alerta um estudo publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology. Cientistas australianos descobriram que as crianças com uma insuficiência de vitamina D tinham três vezes mais probabilidades de terem alergias aos alimentos, informou o Instituto de Investigação Infantil Murdoch (MCRI, na sigla em inglês). No entanto, os investigadores determinaram que não existe ligação entre a falta da chamada vitamina da “luz do sol” e o eczema, refere o “Diário Digital”.

 

A relação entre a vitamina D e as alergias aos alimentos foi registada nos menores cujos pais tinham nascido na Austrália, mas não nos que tinham progenitores nascidos no estrangeiro, o que poderá estar associado à cor da pele, a fatores genéticos ou a ambientais. Para o estudo foram analisados os casos de 5.276 crianças de um ano, que realizaram testes a alergias comuns como a clara do ovo, amendoim ou sésamo.

 

Katie Allen, responsável pelo estudo, disse que o aumento da prevalência da insuficiência da vitamina D nos últimos 20 anos é paralelo ao aumento da taxa de alergias alimentares.

 

A vitamina D é produzida sobretudo pela ação dos raios ultravioleta B na pele, mas também pode ser obtida em alguns alimentos, principalmente peixes gordos, ou através de suplementos vitamínicos.

Fonte: Revista Pais e Fihos

http://www.paisefilhos.pt/index.php/actualidade/noticias/5998-vitamina-d-associada-a-alergias-alimentares
___

 

Deficiência de Vitamina D: Um importante fator de risco para a doença cardiovascular

__

A vitamina D não é uma “vitamina”. Seu produto metabólico, calcitriol , é realmente um hormônio seco esteróide que é a chave que abre pontos de ligação do genoma humano. O genoma humano contém mais de 2.700 sítios de ligação para o calcitriol, que estão perto dos genes envolvidos em PRATICAMENTE TODAS AS DOENÇAS importantes conhecidas dos seres humanos.

genoma

__

Conforme estudos recentemente publicados, a deficiência de Vitamina D   [que  não é vitamina  e  sim  um hormônio  esteroide ASSOCIADO à SAÚDE  de todas as pessoas],  que é tradicionalmente associada com fraqueza óssea ou muscular,  também aumenta o risco da doença cardiovascular. Um crescente número de evidências relaciona baixos níveis de Vitamina D a fatores comuns da doença cardiovascular, como por exemplo, hipertensão arterial, diabetes, aterosclerose, além de outros eventos cardiovasculares maiores que incluem acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e morte súbita por origem cardíaca. Mundialmente a prevalência da deficiência de vitamina D entre idosos é de quase 50%.

Resultados dos estudos sobre vitamina D e doença cardiovascular

Tem sido demonstrado que a deficiência de Vitamina D leva a diminuição na contratilidade cardíaca, tônus vascular, volume do colágeno cardíaco e desenvolvimento do tecido cardíaco, existindo uma crescente evidência vinculando resultados do tratamento com vitamina D para a melhoria da sobrevida na hemodiálise em pacientes no estágio final da doença renal, e melhoria na função cardíaca (1, 2).

Baixos níveis de vitamina D no plasma têm sido relacionados como um fator contributivo para a patogênese da insuficiência cardíaca congestiva (3), prevalente disfunção miocárdica, óbitos por insuficiência cardíaca congestiva, e morte cardíaca súbita (4).

Indivíduos com baixos níveis de vitamina D têm maior incidência de pressão alta, diabetes, e elevação nos triglicérides do que aqueles com mais altos níveis de vitamina D no plasma (5).

Estudos epidemiológicos recentes também têm vinculado a deficiência de vitamina D com um aumentado risco de eventos adversos cardiovasculares maiores (6). Um estudo envolvendo profissionais da saúde mostrou um risco 2 vezes maior de enfartes do miocárdio em indivíduos com deficiência D comparados com aqueles dentro de uma faixa normal (7). Similarmente um estudo prospectivo recente de coortes mediu os níveis de vitamina D em 3.258 pacientes adultos, os quais estavam sendo submetidos a cateterização cardíaca eletiva. Durante o seguimento médio de 7.7 anos, os indivíduos no mais baixo quartíl de 25-hydroxyvitamin D no soro tiveram um risco ajustado de 2 vezes no aumento de risco de óbito, especialmente óbito por doença cardiovascular, comparados com aqueles no mais alto quartil de vitamina D (8).

Baixos níveis de vitamina D aumentam o risco de eventos cardiovasculares entre pacientes com hipertensão, mas não entre aqueles sem hipertensão (6). Mulheres jovens com baixos níveis de vitamina D no plasma têm um aumentado risco para o desenvolvimento de hipertensão (9).

Níveis maiores de calcificação coronária são vistos naqueles pacientes com maior deficiência de vitamina D (10, 11).

A deficiência de vitamina D pode se estender a doenças vasculares além das artérias coronárias. Recente estudo determinou que quanto maior a deficiência de vitamina D, mais placa aterosclerótica era encontrada na carótida, através de avaliação por ultrasonografia. A espessura da íntima-medial da carótida é considerada uma medida substituta válida para a avaliação da aterosclerose coronária. Esse estudo concluiu que os baixos níveis de vitamina D encontrados no sangue representam um forte e independente preditor da aterosclerose. Também mostrou que a deficiência severa de vitamina D foi o dobro em diabéticos do que em não diabéticos (12).

Pessoas com pouca ou nenhuma função renal freqüentemente têm muitos baixos níveis de vitamina D, já que o rim é requerido para essa ativação (13). Estudo envolvendo pacientes com doença renal grave em diálise peritoneal demonstrou que o tratamento para corrigir a deficiência de vitamina D conseguiu uma dramática redução em enfartes e óbitos por doença cardíaca (14). Outro estudo revisando as evidências, tanto da ciência básica quanto de estudos clínicos, apoiou um possível papel protetor da vitamina D, além de seus efeitos no metabolismo mineral, sugerindo a necessidade para uma avaliação contínua do papel da vtamina D na saúde cardiovascular da população de pacientes com doença renal crônica (15).

Enfim, a restauração da vitamina D aos níveis normais pode ajudar a reduzir inflamação, a normalização da pressão sangüínea, e melhora da sensibilidade à insulina – fatores que podem reduzir o risco cardíaco (16, 17, 18, 19).

Estudo recentemente publicado no Jornal do Colégio Americano de Cardiologia emitiu recomendações práticas para a triagem e tratamento de pacientes com baixos níveis de vitamina D, especialmente naqueles com fatores de risco para doenças cardíacas e diabetes, ressaltando que a vitamina D é fácil de conseguir e sua suplementação é simples, segura e de baixo custo (20).

Fontes de vitamina D

A pele humana é rica em pré-vitamina D latente, a qual é ativada pela luz do sol. A vitamina D não é contida em um grau significante nos alimentos e nem deveria ser obtida através de consumo oral. Algumas das fontes naturais de vitamina D incluem salmão, sardinhas, óleo de fígado de bacalhau, e de alimentos fortificados com vitamina D, incluindo leite e alguns cereais. A vitamina D pode também ser fornecida na forma de suplementos.

As pessoas deveriam obter vitamina D através da exposição ao sol. Entretanto, através dos séculos as pessoas têm migrado para lugares mais frios e privados de climas mais ensolarados, trabalhando internamente em escritórios ou fábricas, fazendo viagens de automóvel, exercícios em ginásios ao invés de ao ar livre, e vestindo roupas que cobrem praticamente 95% da superfície do corpo. De fato, mesmo adultos vivendo em lugares ensolarados são passiveis de deficiência de vitamina D, pelo menos durante uma parte do ano. Assim o consumo oral de vitamina D se tornou necessário tendo em vista que os seres humanos desenvolveram estilos de vida envolvendo menos e menos exposição ao sol. Adicionando-se a isso a fobia promovida pelos dermatologistas que aconselham a população de que exposição ao sol causa câncer de pele, com muitas pessoas privando-se do sol e, portanto incapazes de ativar a vitamina D (21).

A teoria de Carl J Reich sobre a deficiência de cálcio e vitamina D

Há cerca de 53 anos Carl Reich acreditava que muitos dos sintomas e doenças da civilização poderiam ser atribuídos à deficiência crônica de cálcio e vitamina D, criada por defeitos específicos no estilo de vida, incluindo dieta, podendo levar à acidose.

No início de sua prática clínica nos anos 50 ele acompanhou diversos pacientes exibindo todos os sinais físicos e sintomas de um sistema nervoso autônomo sobre-estimulado os quais muito freqüentemente eram classificados como de origem psicossomática, como por exemplo: fadiga crônica, fraqueza física, ansiedade, distúrbios do sono, dores de cabeça, câimbras, etc…

Reich descobriu que seus pacientes saudáveis tinham leituras na saliva, feitas através de papel litmus, com medidas de neutro para alcalino de 7,0 para 7,5 pH que ele acreditava fielmente representassem o pH do sangue e tecidos. Enquanto isso os pacientes não saudáveis tinham leituras de saliva ácida mostrando evidência de um pH ácido no sangue na direção de ou abaixo de 6,5.

Dentro de poucas semanas ou meses de dieta com vitaminas e minerais e mudanças suplementares o pH ácido na saliva dos pacientes tratados podiam retornar a leituras mais normais de neutro para alcalino, de 7 para 7,5 pH, acompanhadas pelo desaparecimento de sintomas (22)

Referências

  1. Zittermann A. Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep;92(1):39-48.

  2. Achinger SG, Ayus JC. The role of vitamin D in left ventricular hypertrophy and cardiac function. Kidney Int Suppl. 2005 Jun;(95):S37-S42.

  3. Zittermann A, Schleithoff SS, Tenderich G, Berthold HK, Korfer R, Stehle P. Low vitamin D status: a contributing factor in the pathogenesis of congestive heart failure? J Am Coll Cardiol. 2003 Jan 1;41(1):105–12.

  4. Pilz S, Marz W, et al. Association of vitamin D deficiency with heart failure and sudden cardiac death in a large cross-sectional study of patients referred for coronary angiography. J Clin Endocrinol Metab, Oct 2008, 93(10): 3927-3935

  5. Martins D, Wolf M, Pan D, et al. Prevalence of cardiovascular risk factors and the serum levels of 25-hydroxyvitamin d in the United States: data from the third national health and nutrition examination survey. Arch Intern Med. 2007 Jun 11;167(11):1159-65.

  6. Wang T, Pencina MJ, Booth SL, et al. Vitamin D deficiency and risk of cardiovascular disease. Circulation, 2008 Jan 29;117(4):503-11.

  7. Giovannuci E, Liu Y, Hollis BW, Rimm EB. 25-Hydroxyvitamin D and risk of myocardial infarction in men: a prospective study. Arch Intern Med 2008;168:1174-80

  8. Dobnig H, Pilz S, Schanagl H et al. Independent association of low serum 25-Hydroxyvitamin D  and 1,25-Hydroxyvitamin D levels with all cause and cardiovascular mortality. Arch Intern Med 2008;168:1340-9

  9. Forman JP, Curhan GC, Taylor EM. Plasma 25-Hydroxyvitamin D levels and risk of hypertension among young women. Hypertension. 2008, 52:828

  10. Watson KE, Abrolat ML, Malone LL, et al. Active serum vitamin D levels are inversely correlated with coronary calcification. Circulation. 1997 Sep 16;96(6):1755-60.

  11. Zittermann A, Schleithoff SS, Koerfer R. Vitamin D and vascular calcification. Curr Opin Lipidol. 2007 Feb;18(1):41-6.

  12. Targher G, Bertolini L, Padovani R, et al. Serum 25-hydroxyvitamin D3 concentrations and carotid artery intima-media thickness among type 2 diabetic patients. Clin Endocrinol (Oxf). 2006 Nov;65(5):593-7.

  13. Levin A, Li YC. Vitamin D and its analogues: do they protect against cardiovascular disease in patients with kidney disease? Kidney Int. 2005 Nov;68(5):1973-81.

  14. Taskapan H, Ersoy FF, Passadakis PS, et al. Severe vitamin D deficiency in chronic renal failure patients on peritoneal dialysis. Clin Nephrol. 2006 Oct;66(4):247-55.

  15. Shoji T, Shinohara K, Kimoto E, et al. Lower risk for cardiovascular mortality in oral 1alpha-hydroxy vitamin D3 users in a haemodialysis population. Nephrol Dial Transplant. 2004 Jan;19(1):179-84.

  16. Pfeifer M, Begerow B, Minne HW, Nachtigall D, Hansen C. Effects of a short-term vitamin D(3) and calcium supplementation on blood pressure and parathyroid hormone levels in elderly women. J Clin Endocrinol Metab. 2001 Apr;86(4):1633-7.

  17. Lind L, Hanni A, Lithell H, et al. Vitamin D is related to blood pressure and other cardiovascular risk factors in middle-aged men. Am J Hypertens. 1995 Sep;8(9):894-901.

  18. Timms PM, Mannan N, Hitman GA, et al. Circulating MMP9, vitamin D and variation in the TIMP-1 response with VDR genotype: mechanisms for inflammatory damage in chronic disorders? QJM. 2002 Dec;95(12):787-96.

  19. Zittermann A. Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep;92(1):39-48.

  20. Lee JH, O’Keefe JH, et al. Vitamin D deficiency, an important, common, and easily treatable cardiovascular risk factor?. J Am Coll Cardiol 2008; 52: 1949-1956

  21. William Davis,, Vidamin D’s crucial role in cardiovascular protection, LE Magazine, September 2007.

  22. Calcium and Vitamin D Deficiency. The clinical work and theory of Carl J. Reich, MD. Publicado em 1995 pela “Foundation for Erradication of Rheumatoid Disease”, e disponível em http://www.arthritistrust.org/Articles/Calcium%20and%20Vitamin%20D%20Deficiency.pdf

Fonte:  http://www.infarctcombat.org/polemica-47/icem.html

%d blogueiros gostam disto: